This option will reset the home page of Áudio nas Igrejas restoring closed widgets and categories.

Reset Áudio nas Igrejas homepage

Sem Chiadeira #2

Revista Palco Gospel nº 2 – Coluna Sem Chiadeira

Oi galera,

Vocês estão conferindo matérias sobre a black music e a história da música gospel. E certamente viram nomes de vários estilos musicais: reggae, funk, rock, etc. Cada uma dessas “tribos” tem seu jeito de vestir, por exemplo. Se você der de cara com alguém de “trancinhas” e camiseta com as cores amarela, verde e vermelha… Aposto que o cara, ou a mina, curte um bom “reggae”. Cada estilo tem também sua gíria, seja atual, seja do tempo dos nossos pais, “mora”!?

Mas afinal, o que isso tem a ver com áudio? Simples! Cada estilo musical tem suas particularidades em matéria de áudio também. Por isso, é importantíssimo conhecê-los. A pessoa no comando da mesa de som traz uma influência enorme, pra melhor… ou pior…. É quase como mais um músico na banda. Então, que seja dos bons!

Vamos comentar um pouco sobre o funk e o soul. O que predomina nesses estilos? Uma pegada firme de baixo e batera, muito peso, mas sem “estremecer tudo”. Há muita improvisação vocal e muitos solos instrumentais, sejam de guitarra, teclado, ou metais. O som precisa ter clareza e muita definição pra isso (realce nas médio-agudas). Cuidado com o baixo “slap” pra não soar “taquara rachada” e pra não queimar drivers e ouvidos.

Agora, imagine ouvir um reggae sem aquela guitarra bem brilhante… Simplesmente não será reggae! Deixar uma guitarra de reggae (ou ska) soar pesada e com som abafado é matar a música, ou mudá-la de estilo na melhor das hipóteses. O contrabaixo do reggae também é especial, muito melodioso, assim como no jazz; não adianta carregar no peso. A metaleira é agressiva (trompete e trombone). A percussão tem timbre bem definido e nos teclados usam-se sons de muita presença como marimba e órgãos percussivos.

O rock, bem… som pesado como uma rocha mas, por favor, não vá me colocar mais distorção do que a já existente! No rap, cuidado para os scratches não soarem como um “samba de uma nota só”, literalmente!

A coluna vai acabar e você deve estar perguntando, o que fazer pra conhecer os estilos e fazer bonito na hora em que estiver operando som? Ou tocando, hein músicos!? A dica é, faça uma audição de bons trabalhos em cada estilo! Audição é parar pra ouvir o som mesmo, sem fazer 50 outras coisas ao mesmo tempo. Repare no ritmo e nos timbres. Quais instrumentos predominam? Quais têm mais peso? O mais brilhante? O mais melodioso? Como são os vocais em cada estilo?

Em breve você irá conhecer cada um deles muito bem e ser “um ótimo músico no comando de sua mesa de som”! Quem sabe até dar um empurrãozinho naquela banda… Brincadeira, galera! Nada de brigas entre músicos e pessoal técnico! Até a próxima!

Filippo Valiante Filho

Deixe seu Comentário