This option will reset the home page of Áudio nas Igrejas restoring closed widgets and categories.

Reset Áudio nas Igrejas homepage

Microfones: Amigos ou Inimigos?

O microfone está para um sistema de sonorização assim como o ouvido está para o corpo humano. Ele é o responsável por captar a onda sonora e transformá-la em algo que os equipamentos eletrônicos (amplificadores, mesas, etc.) possam entender e usar. O microfone comporta-se exatamente como o ouvido humano quando este capta as ondas sonoras e as transforma em sinais elétricos para que o cérebro as entenda e processe.


Figura 1 – Constituição do Ouvido Humano

Sendo assim, é apropriado que seja adotado todo o cuidado no manuseio do microfone uma vez que ele é parte sensível do sistema sonoro e, se bem empregado, pode tornar-se um aliado de quem o utiliza. De forma contrária, se o microfone é utilizado com descaso poderá tornar-se seu inimigo durante uma apresentação.

1. Composição dos microfones

Todo microfone, de uma forma geral, é composto por um diafragma e um elemento gerador. O diafragma, assim como o tímpano do ouvido, é responsável por perceber o movimento das ondas sonoras. O elemento gerador, como os ossos que compõem o ouvido interno (martelo, estribo e bigorna) – que podem ser vistos na Figura 1 – é responsável por transformar a variação do diafragma em sinais elétricos proporcionais aos movimentos das ondas sonoras. Na Figura 2 você poderá identificar as partes componentes de um microfone.


Figura 2 – Partes que compõem um microfone

Na figura anterior você pôde identificar o diafragma e os diversos componentes do elemento gerador: bobina móvel, imã permanente e saída de AF (áudio frequência).

Uh… assustei você?! Não se preocupe, não vou incomodá-lo com conceitos de eletrônica. Não é esse o meu objetivo. Na verdade, meu propósito é fazer com que você tenha uma ideia de como os microfones são construídos e da fragilidade dos seus componentes, e que a partir daí, você passe a cuidar bem deles para que se tornem seus bons amigos.

2. O que fazer para tornar o microfone um amigo?

Bem, depois de tanta enrolação, vamos ao que interessa: há uma série de cuidados na utilização do microfone que você pode adotar para torná-lo um amigo. Vejamos alguns desses cuidados. Vou chamá-los de “Os 7 Mandamentos do Amigo do Microfone”.

  • 1o Mandamento: Não bata
  • não bata no microfone

    É muito comum que você, ao segurar um microfone para utilizar, dê algumas “batidinhas” nele de modo a verificar se ele está funcionando. Por favor, não faça isso. Lembra-se do diafragma e do elemento gerador? Com o tempo, de tanto apanhar, eles se danificarão podendo partir-se.

    O microfone vítima dessas “batidinhas” passa, depois de certo período de surras constantes, a reagir apresentando um som “choco e rachado”. É a forma que ele encontra para se vingar dos maus tratos recebidos.

    Como você consideraria alguém que, ao se aproximar de você, ao invés de cumprimentá-lo educadamente fosse logo espancando você? Amigo ou inimigo?!

  • 2o Mandamento: Não assopre
  • não assopre no microfone

    Muitos de nós, também no desejo de verificar se o microfone está funcionando, temos o hábito de assoprar o microfone: fu… fu… som… som… Não é assim que fazemos?

    Pois é, de agora em diante controle-se e não faça mais isso. Ao assoprar o microfone você despeja alguns mililitros de saliva sobre ele!!! Essa saliva vai gerar um mau cheiro no pobrezinho do microfone e ele não pode tomar banho para se limpar… isso é muito anti-higiênico!!!

    Quando você quiser verificar se um microfone está funcionando, apenas fale…

  • 3o Mandamento: Não grite
  • Por favor, não grite… o microfone não é surdo!!! A finalidade de um sistema de sonorização é amplificar, ou seja, aumentar o som que você está produzindo.

    Sendo assim, não é necessário que você use extrema potência na sua voz porque ela será amplificada dessa forma, e o microfone, que não está projetado para receber estes altos níveis de potência de voz, vai distorcer o sinal. Você terá sua voz reproduzida de forma “rachada” e sem clareza. Isso sem falar dos pobres irmãos que estão participando do culto que sairão da igreja meio zonzos e surdos.

  • 4o Mandamento: Não fale movimentando-se
  • não fale se mexendo

    Alguns de nós temos o hábito de falar/cantar movendo-se de um lado para o outro diante do microfone, quando este está fixo. Os microfones têm uma capacidade “auditiva” limitada. Eles não são capazes de “ouvir” se você estiver falando ou cantando muito afastado dele para as laterais. Você precisa falar e/ou cantar diretamente em frente a ele. Aí ele poderá perceber toda a beleza de sua voz.

  • 5o Mandamento: Não tenha medo
  • nõa tenha medo do microfone

    Muitas pessoas têm medo de microfones e por isso afastam-se dele demasiadamente. À medida que você se afasta do microfone, ele passa a ter dificuldades de “ouvir” você. Sua voz ficará com excesso de agudos e sem peso (graves): a conhecidíssima “voz de taquara rachada”.

    Para obter um bom desempenho, aproxime-se do microfone até cerca de 5 cm. Não se preocupe, ele não morde.

  • 6o Mandamento: Não o engula
  • não engula o microfone

    Não vá para o evento com fome esperando engolir alguns microfones: eles dão indigestão!!!

    Na ânsia de fazer uma boa apresentação, falamos tão próximo ao microfone que quase o engolimos. A essa distância tão pequena certamente lançaremos sobre o pobre coitado aqueles mililitros de saliva, lembra-se? E também alguns perdigotos (para quem não sabe o que são, lá vai: germes).

    Essa prática prejudica também a qualidade do som: os microfones direcionais (usados por nós em 99% das aplicações) têm uma propriedade chamada “efeito proximidade”. Esse efeito encorpa os graves à medida que o microfone é aproximado da fonte sonora. Sendo assim, você terá o som da sua voz cheio de graves e provavelmente sem clareza, para não falar do maravilhoso efeito “puf”.

    É só lembrar do item anterior: a distância adequada para uma boa captação é cerca de 5 cm afastado da boca e diretamente em frente ao microfone.

  • 7o Mandamento: Não enrole
  • não enrole o cabo

    Quando seguramos o microfone na mão, temos o hábito de enrolar o cabo do microfone: pare com isso e não enrole, cante!!! Ou fale!!!

    Ao enrolar o cabo do microfone, você provoca alteração nas propriedades elétricas do cabo e, com o tempo, danifica as soldagens que unem o cabo aos plugs. O que resulta disso são chiados e barulhos diversos.

    Ao segurar um microfone, deixe o cabo completamente livre e solto.

    Bom, agora que acabei de indicar a você algumas maneiras práticas de evitar problemas com os microfones e de aumentar sua vida útil, gostaria de dar algumas outras dicas. Lá vai:

      – Aceite as orientações do técnico de som. Ele está ali para ajudá-lo a obter o melhor desempenho possível. Se você tiver alguma ideia, discuta-a com ele.- Para evitar o problema de encher o microfone com saliva e minimizar o efeito “puf”, use espumas de proteção. Elas podem ser encontradas com facilidade no mercado.

      – Você poderá obter sons mais graves ou mais agudos apenas se afastando ou se aproximando do microfone. É só lembrar do “efeito proximidade”, que pode e deve ser usado em seu favor.

      – Não passe na frente das caixas acústicas com o microfone apontado para elas. Isso causará microfonia.

      – Não envolva o globo do microfone (aquela parte redonda que protege a cápsula) com a mão. Isso altera o padrão de captação do mic e pode causar microfonia.

      – Visite seu dentista regularmente de seis em seis meses. Ops… acho que exagerei…

    David Fernandes
    Tecnólogo em Telecomunicações
    Membro da Audio Engineering Society
    audiocon.mail@uol.com.br

    Deixe seu Comentário